Buzfeed: a busca pelo conteúdo viral

BuzzFeed

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Caro leitor, você pode até não saber o que é BuzzFeed, mas é quase certo que você já viu – e até mesmo compartilhou – algum conteúdo dele.

Listas intermináveis, GIFs de gatinhos e testes para saber o quanto você sabe de máquinas agrícolas. Todos esses são alguns dos principais elementos que formam o conteúdo de uma das maiores empresas de notícias da internet mundial.

Neste artigo, falaremos um pouco da sua história e dos conceitos que marcam o método BuzzFeed para viralizar seu conteúdo.

A história do BuzzFeed

A revista britânica Wired descreveu o início da saga do BuzzFeed.

Em 17 de janeiro de 2001, um estudante de graduação do MIT chamado Jonah Peretti enviou um e-mail para alguns amigos detalhando sua conversa com a loja de personalização de tênis NIKEiD.

Seu pedido on-line, número 16468000, fora cancelado por conter uma palavra considerada como ofensiva pela empresa em uma solicitação de personalização do seu par de tênis, ao que ele alegou que a palavra “sweatshop”, a qual queria impressa em seus tênis de corrida ZOOM XC USA, não era profana e não violava nenhuma marca registrada.

“Escolhi o ID porque queria me lembrar do trabalho das crianças que fizeram meus tênis”, escreveu Peretti para nikeid_personalize@nike.com. “Você poderia, por favor, enviá-los para mim imediatamente?”.

Quando a Nike mudou sua objeção na resposta por e-mail, a nova versão explicava que seu pedido havia usado uma “gíria inadequada”, mas Peretti persistiu.

“Depois de consultar o Dicionário Webster, descobri que ‘sweatshop’ é, na verdade, parte do inglês padrão, e não uma gíria”, escreveu ele. “A palavra significa: ‘uma loja ou fábrica na qual os trabalhadores são empregados por longas horas com baixos salários e em condições insalubres’ e sua origem data de 1892… Meu ID pessoal foi criado como um pequeno símbolo de agradecimento aos trabalhadores explorados e para ajudar a expressar minha visão sobre essa questão”.

Quando isso não gerou uma resposta diferente da Nike, desta vez considerando a palavra sweatshop “questionável”, Peretti enviou um último e-mail admitindo a derrota. “Agora decidi encomendar os tênis com um ID diferente, mas gostaria de fazer um pequeno pedido. Você poderia, por favor, me enviar uma foto colorida da menina vietnamita de dez anos que fez meus tênis?”.

No dia seguinte, o e-mail de Peretti foi encaminhado até chegar a um engenheiro da rival Customatix, empresa de calçados personalizados, que respondeu a Peretti. Como resultado, em poucos dias, ele foi chamado pelo blog de tecnologia Lot 49, pelo San Jose Mercury News, Village Voice, TIME, The Guardian, The Independent, MetaFilter, Slashdot e Salon. Consequentemente, sua história alcançou milhões de pessoas.

Peretti recebia 500 mensagens por dia, enviadas da Austrália, Ásia, África e América do Sul. Em 28 de fevereiro de 2001, ele foi convidado para o Today Show da NBC para debater com Vada Manager, diretor de gerenciamento de questões globais da Nike. “Nunca esperei que minha conversa com a Nike fosse tão amplamente distribuída; o e-mail começou a proliferar sem minha participação”, escreveu no The Nation em 9 de abril de 2001.

“Embora a imprensa tenha apresentado minha batalha com a Nike como uma parábola de Davi contra Golias, a verdadeira história é a batalha entre uma empresa como a Nike, com acesso aos meios de comunicação de massa, e uma rede de cidadãos na Internet que têm poucos meios de se comunicar à sua disposição…”, contou ele.

“A única força que impulsionou a mensagem foi a ação coletiva daqueles que acharam que valia a pena encaminhá-la… Meu palpite é que, a longo prazo, este episódio terá um impacto maior sobre como as pessoas pensam sobre a mídia do que sobre a Nike e a mão de obra escrava”.

Dezenove anos depois, o próprio pensamento de Jonah Peretti sobre mídia, viralidade, teoria de rede e o que exatamente motivou as pessoas a compartilhar seu e-mail inicial da Nike, derrubou o modelo de negócios da mídia tradicional – e atraiu seu pool de talentos editoriais – mais rápido do que você pode compartilhar posts como “As 25 posições mais esquisitas em que os gatos dormem”.

O método BuzzFeed para viralizar na internet

A ReferralCandy elencou seis conceitos que nos ajudam a compreender o método BuzzFeed para viralizar seu conteúdo e alcançar milhões de pessoas.

  1. Pessoas realmente gostam de testes com resultados que podem compartilhar nas redes sociais

Os testes do BuzzFeed são incrivelmente bem-sucedidos.

Testes como “A qual Casa de Hogwarts você deveria pertencer?” ou o imensamente popular “Em qual cidade você deveria morar?” funcionam como uma ótima fonte de discussão entre amigos.

As pessoas comparam respostas, enlouquecem quando não obtêm os resultados que desejam e tentam descobrir o resultado dos seus amigos. Isso naturalmente gera um grande engajamento entre os usuários.

A mídia tradicional geralmente considera os testes superficiais. Contudo, eles, com certeza, geram interação com o público, e o BuzzFeed fez questão de explorar isso.

  1. O conteúdo é desenvolvido especialmente para redes sociais e mobile, tornando-o fácil de acessar e ler

O BuzzFeed prospera por causa das grandes manchetes, listas numeradas fáceis de ler, gifs fofos e conteúdo pequeno.

Em comparação com a mídia tradicional (jornais, artigos completos), que podem requerer um esforço maior do leitor, o BuzzFeed busca o inverso – seus artigos são divertidos e fáceis de ler e talvez você aprenda um ou dois fatos com eles.

  1. O BuzzFeed tem o prazer de usar muitos GIFs animados que transmitem muitas informações facilmente

Uma parte importante para facilitar a leitura é a enorme quantidade de GIFs e imagens que acompanham o texto.

Muitas das listas do Buzzfeed têm premissas simples como “10 coisas que você sente quando é domingo à noite”, mas o uso hilário de GIFs para expressar uma reação torna a postagem única e, o mais importante, identificável.

Eles são ainda mais efetivos quando são usados ​​criativamente em um contexto diferente ou se conectam a alguma referência importante da cultura pop.

Por estar disposto a adotar GIFs animados, que muitas outras instituições respeitáveis ​​não consideram profissionais, o BuzzFeed cria conteúdos que superam os outros em termos de gratificação imediata do leitor.

  1. O conteúdo voltado para sua comunidade faz com que muitas pessoas invistam pessoalmente para tornar o site um sucesso

Embora o BuzzFeed tenha repórteres e criadores de conteúdo em tempo integral, muitos de seus artigos mais populares são gerados em sua comunidade. Esse fenômeno é particularmente exclusivo do BuzzFeed – a mídia tradicional se orgulha de materiais cuidadosamente selecionados, mas o Buzzfeed retira conteúdo de todos os lugares.

Permitir que os leitores contribuam com o site torna os conteúdos mais confusos e às vezes imprevisíveis, mas dá a eles mais chances de encontrar algo que atinja o ponto certo e os torne viral.

Enquanto a mídia tradicional é geralmente forçada a aproveitar ao máximo cada centímetro de coluna do jornal, o BuzzFeed fica feliz em criar conteúdo long tails, ou seja, que contenham quatro ou mais palavras-chave, que nem todo mundo lê, assim como conteúdo que estão na moda no curto prazo.

  1. Hiperlocalização para atender comunidades em todo o mundo, incluindo traduções em francês, espanhol, alemão e português

Do BuzzFeed Índia ao BuzzFeed Brasil, a empresa cresceu e se tornou um fenômeno que foi localizado e adaptado para diferentes países.

Isso torna o conteúdo muito mais identificável e específico ao contexto das maiores comunidades de usuários, permitindo-lhes personalizar sua experiência e explorar a cultura pop a partir das lentes de suas próprias culturas.

Devido à sua natureza globalizada, houve uma evolução para se tornar um reflexo da diversidade da cultura pop no mundo de hoje.

O próprio CEO da empresa afirmou: “Podemos ver uma notícia de como os artistas estão reagindo à crise síria por um repórter em nosso escritório de Londres, ou um texto em primeira pessoa originalmente escrito em alemão sobre o acolhimento de refugiados sírios por um de nossos repórteres de Berlim, o qual será visto mais de 3 milhões de vezes por causa das nossas traduções em cinco idiomas”.

O poder do Buzzfeed ultrapassa fronteiras e culturas e parece estar crescendo.

  1. A variedade de conteúdo atende a todas as suas necessidades – dos 10 tipos de receitas para fazer miojo às últimas notícias!

De seu propósito inicial de ser apenas um site que rastreia conteúdo viral, o BuzzFeed agora tem sua própria equipe de criadores de conteúdo com um grande escopo de trabalho, que vai desde a cobertura das últimas tendências e memes, até os debates presidenciais e muito mais.

Alguns artigos chegam a abordar temas sérios de forma jornalística, mas ainda com um elemento especial do BuzzFeed – o jornalismo é realizado por meios não muito convencionais, como por exemplo, entrevistas via aplicativos de mensagens, como o Kik.

Como vemos, a organização mudou completamente o cenário das notícias digitais e entretenimento, se tornando líder em mídia digital independente.

Entretanto, o mais importante, é o legado que ele tem nos deixado de como realizar a comunicação com a grande massa, possibilitando tornar o conteúdo viral.

Quer saber mais sobre esse e outros assuntos? Acesse o nosso blog e mantenha-se informado!

Assine nossa Newsletter

Receba nossas novidades por email

Outras publicações

TRÁFEGO: O QUE É E PARA QUE SERVE?

Tráfego: o que é e para que serve?

Você já parou para pensar sobre como o sucesso de uma loja ou página é medido na internet? Podemos garantir que há muitos indicadores, mas